Espondiloartropatias Inflamatórias

AnkylosingSpondylitisEspondiloartropatia é um termo usado para definir um grupo de doenças inflamatórias que afetam o esqueleto axial. Cinco grupos podem ser distinguidos, incluindo Espondilite Anquilosante, Artrite Reativa (Reiter), Artrite Psoriática, artrites relacionadas a doenças inflamatórias intestinais crônicas e espondiloartropatias inespecíficas. Estas doenças têm em comum o fato de todas serem soronegativas para fator reumatoide e, frequentemente, estão associadas com a presença de HLA-B 27.

Diferentemente da artrite reumatóide, que costuma envolver o revestimento sinovial das articulações, as espondiloartropatias afetam predominantemente as enteses (que são as áreas de inserções ligamentares).

A Ressonância Magnética (RM) é o método mais sensível para detectar as alterações precoces que se manifestam como: focos edema e processo inflamatório nas enteses, que se caracterizam por hipersinal nas sequências ponderadas em T2 com realce pós-contraste.

O envolvimento das enteses é observado nos cantos anteriores e posteriores das placas terminais dos corpos vertebrais, locais de inserção dos ligamentos longitudinais anteriores e posteriores. A isso se denomina Espondilite de Romanus ou Sinal de Romanus.

Quando o processo inflamatório envolve as placas terminais, adjacentes ao disco e o próprio disco, denominamos de Espondilodiscite Asséptica de Andersson.

As doenças inflamatórias soronegativas também podem envolver diretamente os ligamentos inter e supraespinhosos e as articulações interapofisárias. Também nestas estruturas, as fases iniciais se manifestarão nas imagens de RM como áreas de hipersinal no T2, com realce pós-contraste.

As alterações crônicas, incluindo erosões ósseas, esclerose reacional, substituição gordurosa, sindesmófitos (que são pontes ósseas unindo anteriormente ou posteriormente os corpos vertebrais), redução dos espaços articulares e, finalmente, anquilose (fusão articular), podem ser diagnosticadas pelos exames de RM. Porém, estas alterações são melhores vistas nos exames de TC. As articulações costocondrais e costovertebrais também podem ser acometidas.

A RM é, portanto, fundamental na investigação das doenças inflamatórias articulares, não só por ter a capacidade de detectar a doença nas suas fases iniciais, permitindo o tratamento precoce, como também para estadiamento do processo, identificando as várias fases destas doenças, sendo também útil no controle e acompanhamento do tratamento.

Pelo fato das articulações sacro-ilíacas serem formadas predominantemente por tecido conjuntivo fibroso (fibrocartilagem) e conter muito pouco fluido sinovial, estas articulações podem ser consideradas como ênteses. Este aspecto pode explicar o porquê as articulações sacro-ilíacas serem poupadas na Artrite Reumatoide.

As artropatias soronegativas costumam acometer precocemente as articulações sacro-ilíacas, portanto são frequentemente o alvo da investigação inicial por imagem pelos reumatologistas e clínicos. Como já exposto, a RM é o método de imagem de escolha na investigação inicial e as imagens realizadas após injeção endovenosa de gadolíneo são as mais sensíveis.

A sacroileite pode ser uni ou bilateral, simétrica ou não, e as alterações na RM são semelhantes àquelas encontradas na coluna. Nas fases precoces: edema/inflamação do osso subcondral, com impregnação de contraste paramagnético; e nas fases tardias: erosões ósseas, esclerose, substituição adiposa, redução dos espaços articulares e anquilose, com astas últimas alterações sendo melhores vistas nas imagens de TC. A vantagem da RM é que o método pode mostrar nas doenças crônicas, indícios de readudização.

Atualmente, com o advento de novos medicamentos que têm grande eficiência no tratamento e controle destas doenças, é extremamente importante que se faça o diagnóstico precoce, permitindo tratar os pacientes numa fase inicial, evitando as graves alterações ósseas e articulares, assim como as deformidades e o sofrimento causados, comumente observados na fase tardia destas patologias.

Por: Dr. José Pereira Coelho