Ressonância Magnética das Mamas

mamaO câncer de mama é um problema de saúde pública e a principal causa de morte por câncer em mulheres no Brasil, com 49 mil novos casos por ano. Em 2008 ocorreram 1,2 milhões de novos casos no mundo.

Enquanto que nos países em desenvolvimento, como o Brasil, 70% dos novos casos são diagnosticados em estágio avançado, nos países desenvolvidos, como os EUA e Inglaterra, cerca de 50% dos casos são diagnosticados na fase inicial, oferecendo uma sobrevida de 95%. No nosso País, a sobrevida é de 13% em cinco anos. Esta discrepância deve-se, principalmente, ao diagnóstico precoce e a avaliação adequada da extensão das lesões, aspecto fundamentais para aumentar de forma significativa a sobrevida dos pacientes.

A Mamografia continua sendo o método principal no rastreamento de mulheres acima dos 40 anos.

A Ultrassonografia é outra ferramenta fundamental como complemento da Mamografia (casos duvidosos, diferenciação de nódulo cístico-sólido, mamas densas etc.) e, isoladamente, em mamas de mulheres jovens.

A Ressonância Magnética (RM) é, atualmente, um método muito avançado e de grande sensibilidade para o auxílio diagnóstico das doenças das mamas, que devem ser analisadas em conjunto com a Mamografia, a Ultrassonografia e dados da história clínica da paciente.

A RM mamária é um exame indolor, com duração media de 20 a 30 minutos, devendo ser realizado em aparelhos de alto campo e com bobinas específicas.

O exame, quando realizado para avaliação de próteses, não necessita de uso de contraste. Para as demais indicações, a administração de contraste endovenoso Gadolíeo é imprescindível. Este contraste é extremamente seguro e raramente causa reações adversas.

As principais indicações para a realização da RM de mamas são:

• Determinar a extensão tumoral em pacientes com linfonodomegalia axilar;

• Pesquisa de tumor oculto em pacientes com linfonodomegalia axilar;

• Estadiamento e planejamento terapêutico;

• Monitorar a resposta hormonal ou quimioterapia pós-tratamento;

• Avaliação das próteses;

• Avaliação adicional de achados clínicos ou por imagem de lesões suspeitas indeterminadas por Mamografia ou Ultrassom.

Referências:

- Breast MRI – Morris – Liberman

- Brandão, Alice – RM da Mama

- Urban, Linei – Palestra: Sistematização da Análise da RM em Doenças Benignas e Malignas das Mamas.

Por: Dra. Elita Mendonça Coelho